sábado, fevereiro 10, 2007

Vez por outra nosso Fundo de Quintal Literário trará até vocês algumas das melhores postagens de outros blogs, procurando, assim, superar suas próprias limitações criativas e, sobretudo, homenagear as mentes em atividade na rede. Assim, dando prosseguimento à série, um post original de:

Fabrício Fortes



LEMBRANÇA DE ANTES DO TEMPO

Jorra o tempo pelas paredes
no lento pedalar da máquina de costura.
Mãe,
quanto tempo falta para
a vida começar?
É triste o dia
e o picolezeiro,
as pitangas e a flor
do maracujá.
Mulheres que bordam e tecem
e pintam panos de prato.
São morangos
e não há homens por perto
durante o horário comercial.
Brincamos à sombra da goiabeira
e corrigimos a fala dos mais velhos.
Mãe,
quando virão todos aqueles cheiros
que me prometeste?
Ignoramos o tempo,
que já escorre pelo assoalho
(estamos atrasados).
Mãe,
diz mais uma vez as horas
e me conta de novo
todas aquelas histórias.
Mãe, mãe,
me aperta contra o teu peito
e gira em torno do meu umbigo.
Me entrega um dos teus olhos
e deixa uma coberta nos pés da cama.
Por favor, mãe, por favor.
Me diz que estaremos longe
quando as coisas passarem a fazer sentido.

* conheça um poeta de verdade e desfrute do estilo inconfundível dessas

5 comentários:

joão disse...

achei muito foda.

Anônimo disse...

sombrio

Diogo Lyra disse...

Sinceramente João, realmente eu acho o Fabrício Fortes um maluco muito talentoso e recomendo uma visita bem demorada ao seu blog...

Clara Mazini disse...

Um dos meus blogs preferidos, tb!
Palmas para o Fabrício!
Clap, clap, clap!!

Anônimo disse...

Por que nao:)