segunda-feira, maio 14, 2007

Livros, Discos e Sei Lá Mais o Quê # 10


Livro indicado: As Aventuras de Alice no País das Maravilhas

Ele adorava criancinhas e misturava, na vida e na arte, os universos paralelos do mundo adulto e infantil. Foi assim que o diácono, matemático e fotógrafo amador Charles Lutwidge Dogson - mais conhecido pelo pseudônimo Lewis Carroll - produziu duas de suas obras literárias mais conhecidas: "As Aventuras de Alice no País das Maravilhas", publicado em 1865 e "Através do Espelho e o que Alice Encontrou Lá", de 1871. A trilogia do nonsense de Carroll só se completa, contudo, em 1876, quando publica o poema "The Hunting of the Snark" - menos conhecido que os anteriores, porém tão importante quanto.

Assim, estes dois livros e o poema formam uma obra só e sua leitura não-ingênua revela uma estrutura narrativa repleta de paralelismos e sofisticados jogos semânticos. Em todos os textos Carroll se utiliza de um sistema auto-referencial baseado em jogos de duplo-sentido, alusões paródicas e, sobretudo, na utilização do portmanteaux - "palavras-valise", em que duas formam uma terceira, como, por exemplo, a palavra "snark", mistura de snake (cobra) e shark (tubarão).

Obviamente não sou um especialista na obra de Carroll e extraí estas informações da excelente edição da Summus Editorial (tradução e organização de Sebastião Uchoa Leite) - a minha é de 1980 (São Paulo, 3ª edição). O diferencial desta publicação consiste justamente na sua proposta mais ousada e, por sinal, mais completa, que traz consigo não só os textos que citei acima como outros igualmente interessantes - tais quais os jogos linguísticois dos Doublets -, além de fotos suas e das meninas entre oito e doze anos de idade que o rodeavam na Christ Church, incluindo aí a jovem Alice. A edição vem ainda com dois excelentes capítulos de crítica literária sobre a produção de Lewis Carroll , que apresenta e faz justiça à magnitude simbólica contida em seus textos.

Sobre o emprego do portmanteaux por Carroll, talvez um de seus melhores exemplos seja o poema Jabberwocky, quase que inteiramente estruturado dessa forma. Vale a pena dar uma olhada no orginal em inglês e ler a primorosa tradução de Augusto de Campos, que deu vida ao Jaguadarte na língua portuguesa. Confira ambas...

Jabberwocky


Twas brillig, and the slithy toves

Did gyre and gimble in the wabe;

All mimsy were the borogoves,

And the mome raths outgrabe.

'Beware the Jabberwock, my son!

The jaws that bite, the claws that catch!

Beware the Jujub bird, and shun

The frumious Bandersnatch!'

He took his vorpal sword in hand:

Long time the manxome foe he sought —

So rested he by the Tumtum tree,

And stood awhile in thought.

And as in uffish thought he stood,

The Jabberwock, with eyes of flame,

Came whiffling through the tulgey wood,

And burbled as it came!

One, two! One, two! And through and through

The vorpal blade went snicker-snack!

He left it dead, and with its head

Hewent galumphing back.

'And has thou slain the Jabberwock?

Come to my arms, my beamish boy!

O frabjous day! Calloh! Callay!

He chortled in his joy.'

Twas brillig, and the slithy toves

Did gyre and gimble in the wabe;

All mimsy were the borogoves,

And the mome raths outgrabe.


Jaguadarte

(Augusto de Campos)


Era briluz. As lesmolisas touvas

Roldavam e relviam nos gramilvos

Estavam mimsicais as pintalouvas

E os momirratos davam grilvos.

"Foge do Jaguadarte, o que não morre!

Garra que agarra, bocarra que urra!

Foge da ave Felfel, meu filho, e corre

Do frumioso Babassurra!

"Ele arrancou sua espada vorpal

E foi atrás do inimigo do Homundo.

Na árvore Tamtam ele afinal

Parou, um dia, sonilundo.

E enquanto estava em sussustada sesta,

Chegou o Jaguadarte, olho de fogo,

Sorrelfiflando através da floresta,

E borbulia um riso louco!

Um, dois! Um, dois! Sua espada mavorta

Vai-vem, vem-vai, para trás, para diante!

Cabeça fere, corta, e, fera morta,

Ei-lo que volta galunfante.

"Pois então tu mataste o Jaguadarte!

Vem aos meus braços, homenino meu!

Oh dia fremular! Bravooh! Bravarte!"

Ele se ria jubileu.

Era briluz. As lesmolisas touvas

Roldavam e relviam nos gramilvos.

Estavam mimsicais as pintalouvas

E os momirratos davam grilvos.

8 comentários:

Marcos disse...

Veja só, a gente assiste desenho animado e não percebe essas coisas! Realmente eu nunca li "Alice", mas fiquei até curioso...

4rthur disse...

É, meu caro, contrariando a opinião de um escritor que ouvimos há algumas semanas, a tradução do Augusto de Campos é realmente imbatível!

revolution_9 disse...

IMPORTANTE!!!

Amigos blogueiros, parece que meu blog finalmente atinjiu seu objetivo, ou seja, está começandoi a incomodar!!! Tenho recebido a visita de um extrema direita que está me fazendo ameaças!!! Por favor, me dêem conselhos, devo euy abandonar minha cyber-revolução!?!? Leiam o último post e me dêm sua opinião. Talvez tudo tenha começado porque talvez eu tenha aberto demais a boca nestes comentários, numa conversa com o Garrret, (aqui)

SAMANTHA ABREU disse...

Adoro Alice.
Vejo e revejo o desenho, sempre... pra poder me encantar os olhos, só um pouco...
ainda não li os três. Mas fiquei aguçada.

e tuas indicações tem valor pra mim!
beijos

Bina Goldrajch disse...

Se não me engano os originais são em Alemão.

Se não me engano.........

Henrique disse...

Revolution, pega leve na auto-promoção.

A tradução de Augusto é fantástica.
A leitura de Carrol sempre foi um desafio para mim. Talvez seja difícil realmente descolar-se do imaginário povoado pela versão Disney e buscar algo Pré-Gaiman na obra do Matemático e fotógrafo.
Que ele gostava de criancinhas... Bem, Jerry Lee Lewis também. Mas o que importa é a obra, não é mesmo?

fabrício fortes disse...

e, diga-se de passagem, o sujeito ainda foi um lógico de fundamental importância na história dessa árida disciplina matemático-filosófica no século 20.
cara estranho..

4rthur disse...

Cara estranho e, mesmo asim, valente.