terça-feira, julho 24, 2007



Poderia ter sido ao pôr-do-sol, quando então reluziriam no ferro cromado do revólver os últimos raios de vida do perdedor, mas foi no recinto fechado de um escritório, sob o gélido ar condicionado, que os duelistas concluíram ser o mundo pequeno demais para os dois e decidiram, assim, realizar a fusão de suas empresas.

21 comentários:

4rthur disse...

Com essas práticas disseminadas mundo afora, em pouco tempo estaremos todos fundidos.

Rosa disse...

Cara, tua capacidade de escrever sinteticamente é absurda! Parabéns!!!

Tamires disse...

GENIAL,GRANDE DIOGO!
E VIVA A CIVILIZAÇÃO!

thaís disse...

Viva, ele voltou!!!

Roberta disse...

BANG-BANG EMPRESARIAL!

Priscila disse...

bela forma de colocar as coisas...

gigi disse...

vc sabe que eu te acho o máximo, mas não sei... essa coisa de deixar o desfecho muito explicadinho não me apraz tanto.

bjs, dig

gigi disse...

vc sabe que eu te acho o máximo, mas não sei... essa coisa de deixar o desfecho muito explicadinho não me apraz tanto.

bjs, dig

Vivi disse...

Concordo com a Gigi. Deixar que o leitor sacasse a fusão seria ainda melhor!

Nestor Loureiro disse...

É isso aí Diogo, as meninas estão certas! Uma única frase é mais que suficiente para escrever um conto com início, meio, fim e, além disso, deixar a conclusão derradeira implícita...

...moleza.

4rthur disse...

velho de guerra, postei no meu blog um preciso e fidedigno relato de nossa viagem ao Sana. Depois dá uma chegada lá, você e quem mais se interessar em conhecer este paraíso repleto de belezas naturais.

Fabrício Fortes disse...

e viva a livre concorrência!!!

The Immature Girl disse...

pra mim tá mais pra romance, do que western essa fusão, hahahaaha...
bjuuussss!!!

Caito disse...

Ironia da boa!

SAMANTHA ABREU disse...

ahahahahahahaha
passei por isso hoje. Você não acreditaria.

Adorei!

ps: vc gosta da série, é?! Já pensou se minhas mulheres sob descontrole encontram teu Velho heterosexual masculino num boteco qualquer?
Nossa mãe...
hahahahaha

Cascarravias disse...

eu diria gang bang empresarial. e a eventual proximidade com este "objeto" me diz que não há como encontrar romance por ali...

Chico disse...

hahaha muito bom. e discordo sobre deixar implícito, a surpresa da história veio justamente dessa revelação escancarada.
passarei mais vezes

Guilherme disse...

Muito bacana seu blog diogo, muito criativo. Sobretudo bem escrito. Li rapidinho uns vários posts e gostei muito!
Vc é o japa do orkut que me recomendou essa visita, ou seria o japa outra pessoa? De qualquer forma, quero dizer que valeu a pena.
Quanto ao post de hoje, exatamente neste dia terminou um contrato de consultoria que eu tinha, com uma empresa daqui de Praga (moro em Praga, República Tcheca) que já não mais estava funcionando. Morreu o contrato, eu dizia, mas sobreviveram as partes. E esta que agora escreve, encontra-se feliz por ler um post de uma frase tão interessante como essa, justo no dia de hj.
Um abraço meu caro!

(ah, visite meu blog tb: http://www.viajador.weblogger.com.br)

da onça disse...

guilherme, o japa é, na verdade, chinês. Embora amarelos, são povos bastante diferentes.

Djoubert de la Hoya disse...

"diferentes" só pq um come peixe cru e o outro macarrão frito. vai dizer que se colocar um do lado do outro tu percebe a diferença?

da onça disse...

claro que percebo a diferença. o peixe cru tem escamas e é chato. O macarrão frito é cilíndrico, entra duro e sai mole pingando.